domingo, 3 de setembro de 2017

Tecendo a Manhã

João Cabral de Melo Neto
Um galo sozinho não tece a manhã:
ele precisará sempre de outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro: de outro galo
que apanhe o grito que um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzam
os fios de sol de seus gritos de galo
para que a manhã, desde uma tela tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.
E se encorpando em tela, entre todos,
se erguendo tenda, onde entrem todos,
se entretendendo para todos, no toldo
(a manhã) que plana livre de armação.
A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Notícia sem nexo

.(Miró da Muribeca)

na hora do tiroteio
saiu correndo
quebrou a esquina
e foi preso por crime
ao patrimônio público.

domingo, 4 de dezembro de 2016

A LUTA VALE A PENA


Marcelo Mário de Melo
[A Hiran Pereira, homem de teatro e dirigente comunista em Pernambuco, assassinado e desaparecido nos tempos da ditadura de 1964]
Vale a pena sim
remar contra a maré
pois muitos ainda
não têm pão
nem peixe
e estão unidos
os que atiram
as primeiras pedras.
Vale a pena sim
seguir a estrada
recuar
na trilha ameaçada
e voltar
pé ante pé
lançando
o sal e a semente.
Vale a pena sim.
Enfrentar a intolerância
lutar por liberdade
são coisas
que só fazem bem
em toda idade.
Vale a pena sim
vale a pena a nós
vale a pena a vós
vale a pena a mim.
Vale a pena sim!

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Nestes Tempos...

(se alguém souber a autoria favor informar)

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Memória

(Carlos Drummond de Andrade)

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

                             Nada pode o olvido
                             contra o sem sentido
                             apelo do Não.

                                                                 As coisas tangíveis
                                                                 tornam-se insensíveis
                                                                 à palma da mão

                                                                                                        Mas as coisas findas
                                                                                                        muito mais que lindas,
                                                                                                        essas ficarão.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Sol e lua

Pra que luzes vindas dos postes, se temos sol e lua?
Papagaios, pipas e pandorgas,
Sem cerol, cabresto ou linha,
quero apenas seu voar...

(Foto Camila Hianne)

quinta-feira, 18 de agosto de 2016